quarta-feira, dezembro 10, 2014

Para o passeio do bebê


Terminando as peças feitas para o bebê Antônio, o que mostro hoje é o presente que mandei para  ele. Um porta-fraldas para ser carregado na bolsa, usando os mesmos tecidos do resto do enxoval. O tecido com estampa de  carrinhos, caminhões, trens e aviões, foi usado para o verso do babyquilt.


 Para completar o presente, um saquinho igual, para acondicionar os lenços umedecidos, pomadas, óleo e o que mais necessitar para a troca de fraldas. Os passeios com bebê acabam se transformando em aventuras, tantas as coisas que precisam ser carregadas junto. Organizando tudo, pelo menos fica mais prático. Bons  passeios para o Antônio!


domingo, dezembro 07, 2014

Antônio e Frederico - o começo de uma boa amizade.


Então chegou o dia cinco e o Antônio nasceu! Muita festa para receber  o gurizinho da família.  Logo que for para casa o bebê estará rodeado de amor e agrados. Num quarto cheio de delicadezas azuis. Já tinha mostrado aqui o babyquilt, o lençol e o travesseirinho com nome. Hoje é o dia das outras peças.


Duas capas de almofadas, com o mesmo padrão do babyquilt enfeitam a caminha do bebê. O chevron ou zig-zag igual ao da colcha, utilizando os mesmos tecidos. Nas almofadas eles aparecem divididos, cinco estampas em cada uma.






Atrás, al amofadas tem fechamento ripo fronha, com uma aba utilizando dois tecidos do babyquilt. E um a fita de cetim completa o fechamento.



Já o ursinho Frederico  tem lugar especial. O enxoval estava pronto para ser enviado, quando a Carol, mamãe do Antônio, viu os ursinhos aqui no blog, e quis um também. Era sexta-feira, fim da tarde. Então o envio foi postergado para segunda-feira e direto de Porto Alegre, para economizar tempo - um dia a menos de transporte. Mesmo assim, o corrreio levou um dia a mais para entregar o sedex - quem tem boas referências dos Correios? Pois é! Mas ainda bem que chegou antes do bebê!


Não só chegou como também foi junto para a maternidade, para receber o Antônio.  A Carol gostou tanto do ursinho, que levou junto e o acomodou na sua cama. Enquanto ocorriam os preparativos para o nascimento do Antônio, a bisa Vera Marina fez esta foto e mandou por mensagem. Depois disso, a vovó Rejane deixou recado numa das fotos do facebook, dizendo que o Frederico estava no bercinho, junto com o Antônio, na maternidade! Não é uma coisa muito querida?


O post já estava pronto quando, ontem de noite,  minha amiga Vera mandou esta foto abaixo. Tinha que entrar neste post, né? O Frederico fazendo companhia para o Antônio, os dois de azul, no bercinho de acrílico lá na maternidade.



quarta-feira, dezembro 03, 2014

Tudo azul para o Antônio




 Eu tenho uma amiga, colega dos tempos de redação de jornal (lááááá no século passado), que é  a expressão (que também se falava muito na época) da palavra  avant-garde, aquela que está sempre à frente. Pois quando as pessoas chegam perto da nossa idade e começam a ter netos, a Verinha inova outra vez: nesta semana ela se transforma em bisavó!


Depois de muito tempo, nos reencontramos no facebook e é por lá que conversamos, já que ela está morando no Rio. Desde este reencontro - virtual -  ela já encomendou várias peças para dar de presente - como este jogo americano -, algumas semanas atrás,  contou a novidade, pedindo para fazer um minienxoval para seu bisneto Antônio. E eu, que acho uma maravilha costurar  coisinhas para bebês, adorei a ideia. Ela só deu duas dicas: o quarto seria azul claro e teria referência a transportes.


A primeira coisa foi um babyquilt. Escolhi vários tecidos com estampas em muitos tons de azul clarinho e decidi usar a técnica chevron ou zig-zag. Nunca tinha feito nada com este padrão, e gostei muito. Tem várias maneiras para compor este  desenho, algumas bem complicadas, mas encontrei uma muito prática. O efeito é o mesmo em todas, o que muda é a maneira de cortar e costurar.



 Para o outro lado do babquilt encontrei um tecido com estampa perfeita para o tema:caminhões, carrinhos, trens e aviões em tons de azul e verdinho claro. Faltava só a etiqueta bordada com o nome do futuro dono do quilt, nome de quem presenteou e a data. Fiz assim:


 E recortando um dos caminhões da estampa, juntei com a etiqueta da Casa al mare e coloquei botões, fazendo as vezes de pneus. Surgiu um caminhãozinho com carreta especial para o Antônio! A criatividade funciona  e sugere coisas especiais para cada trabalho. ;-)


Fiz também um lençol branco com apenas um zig-zag num tecido azul com bolinhas brancas - que aparece também na borda do babyquilt e no travesseirinho com nome. No lençol e no travesseirinho, a etiqueta Casa al mare foi impressa diretamente no tecido.


Tem outras peças, que vou mostrar mais adiante, todas combinando entre si, claro.  Por enquanto fica o babyquilt, o lençol e o travesseirinho com nome. E as boas-vindas ao Antônio, nome bonito, antigo e de gente longeva. Meu pai, que também tem este nome, vai fazer 94 anos em janeiro! 




domingo, novembro 09, 2014

Vamos de bici?

viagens, pra passar alguns dias na praia ou qual
Mesmo tendo dois filhos homens, sempre considerei difícil escolher presentes para  meninos. Mas uma coisa tanto meninos como meninas precisa,: uma nécessaire! Pra passar o fim de semana da casa da vovó ou de um amigo, pra qualquer outro uso, esta é uma peça prática  para meninos e meninas, tenham  a idade que tiverem.


Sem falar que pode ser usada também como estojo, pra levar lápis, canetas, borracha e tudo mais de miúdo que se usa na sala de aula. Ou então guardar bem guardados brinquedos especiais, cartões, figurinhas,  fichas, miniaturas, bolinhas..., Versátil? Muito!


Esta com estampa de bicicletas e tecido verde escuro, foi feita para um menininho. Mas, como na minha teoria, é bem mais fácil encontrar presentes femininos, a nécessaire, claro, pode ser usada também por menina. E como as meninas também  têm  tesouros pra guardar!


Vamos de bici?

domingo, novembro 02, 2014

Coquinhos. Com receita!


Fim de semana com chuva, fresquinho até pra usar manga comprida, no meio da primavera pede... cozinha! Já contei aqui diversas vezes que cozinhar não é a minha praia, mas coisas simples e gostosas sempre me interessam. Assim, dia destes encontrei uma receita de coquinhos, que resolvi experimentar hoje, já que o dia está propício à preguiça e à comilança. E se eu fiz, pode ter certeza de que é fácil e muito rápido.


Aqui está a receita:

Você vai precisar de
100g de açúcar
100g de côco ralado
50g de farinha de trigo
1 ovo

Misture todos os ingredientes até obter uma massa  homogênea.
Pegue colheradas (eu usei colher pequena) e passe de uma colher para outra, até ficar uma bolinha.
Coloque na assadeira distante um do outro. Na assadeira de 20cm por 40cm, coloquei 15 bolinhas.
Asse em forno pré-aquecido a 180 graus até ficar dourado. No meu forno, levou cerca de 20 minutos.


E está pronto um lanche rápido e gostoso, perfeito para acompanhar o café, chá ou chimarrão. Também é uma boa ideia de presente. É só forrar a tampa de um vidro com tecido e amarrar com cordão.  Pode imprimir uma etiqueta bacana, que se encontra com facilidade na internet.  Vai visitar uma amiga? Quer  dar de presente de Natal? Os coquinhos são uma ideia muito gostosa! No meu caso, comi as delícias  tomando mate olhando a chuva lá fora. Bom finzinho de domingo! Boa nova semana!




segunda-feira, outubro 06, 2014

Bolachinhas caseiras. Quem diria, eu que fiz!


 Quando era pequena, eu ajudava minha mãe a pôr os enfeites sobre o merengue das bolachas de Natal, ou  a passar numa maquininha que ela tinha, a massa para os biscoitos caseiros. Era uma máquina tipo moedor  manual de carne (acho que era a mesma), e na parte onde saíam os biscoitos ia uma máscara vazada, de modo que as bolachinhas saíam com a forma da área vazada. Tinha vários modelos de bolachas e eu me achava muito importante ajudando  a girar a manivela e cortando a massa que saía em pequenos pedaços de uns três ou quatro centímetros. Estas eram as bolachas que se fazia na Páscoa, principalmente, junto com amendoins confeitados para colocar nas cascas de ovos que se guardava durante semanas, e mais todas as coisas gostosas que criança adora.


Acho que foram minhas últimas incursões nesta arte maravilhosa.
Passaram as décadas, e nunca mais me aventurei na confecção destas delícias. Até poucos dias atrás.
Eu, que não sou  da cozinha, inventei, então,  dia destes de fazer biscoitinhos caseiros. Minha filha Júlia tinha me dado uma receita básica - que segui, mas acrescentei algumas coisas. Bom, se eu,  que não gosto de cozinhar, achei fácil, pode ter certeza que é muito fácil!


A receita original tinha manteiga, açúcar, ovo, farinha de trigo e fermento. Mas já na primeira vez que fiz, já modifiquei um pouco. Então, primeiro vou passar os ingredientes da receita que recebi:

120g de manteiga
1 xícara de açúcar
1 ovo
2 e 1/2 xícaras de farinha de trigo
1 colher de café de fermento.


Modo de fazer:

Bater o ovo, o açúcar e a manteiga
Acrescentar a farinha e o fermento
Misturar tudo e colocar em assadeira colheradas pequenas.
Levar ao fogo pré-aquecido  e deixar até dourar.


A primeira que fiz,  acrescentei 50g de côco ralado e troquei uma das xícaras de farinha de trigo por aveia moída fina. O problema é que coloquei colheradas grandes e muitas numa só assadeira. O resultado é que as bolachinhas se uniram, porque quando assam elas se esparramam. Na verdade, ficou uma massa quase homogÊnea no fundo da assdeira. Sem problema! O gosto ficou ótimo, e foi só cortar (ou quebrar) pedaços menores.


Na segunda vez,  usei só 100g de manteiga, inverti a quantidade de farinha e aveia e coloquei duas colherinhas de canela em pó. Aprendi a lição, e coloquei menos  e menores colheradas em cada assadeira. Ficaram estas delícias aí das fotos. Muito, muito gostosas. Deve ter dado umas 40 ou 50 bolachinhas, o suficiente para encher dois potes médios.Mas não ficaram muito tempo cheios, não. Somos só dois glutões em casa, e no terceiro dia só havia sobrado farelo nos vidros.


Mas agora vou me aperfeiçoar na arte de fazer bolachas caseiras. Já comprei farinha de aveia e estou à procura daquela aveia com flocos bem grandes, que aparecem crocantes por cima do biscoitinho. A próxima fornada terá amendoim quebradinho e, mais adiante, pedacinhos de chocolate meio amargo.


Na verdade, não tem limite a  quantidade de  delícias que se pode incluir na receita básica: castanhas, nozes, amêndoas, passas, côco, pedacinhos de frutas...

Como cenário para as fotos das bolachinhas, o meu pátio, com a grama recém cortada e muitas flores por todos os lados. Boa semana a todos!