domingo, abril 08, 2018

Um mundo de cor!

 

Lá em janeiro, recebi um pedido  de uma pessoa muito querida, minha antiga vizinha de quando eu morava em Porto Alegre. Maria Alice, a vizinha, desde que me encontrou no facebook, faz sempre comentários simpáticos na fotos do meu fb pessoal e na página da Casa al mare. E no começo deste ano, ao ver fotos dos babyquilt que fiz, pediu que eu fizesse um para seu sobrinho-neto que nasceria em abril. (Já nasceu,é um gurizão lindo!) Não definiu cores, estampas, padrão, nada! Deixou tudo à minha escolha.



Então eu, que há horas queria fazer um quilt usando muitas  estampas e cores, decidi que tinha chegado a hora. Desde que fiz o babyquil da minha neta Stella, confirmei que fica muito bom usar muitas, muitas cores no quarto do bebê. Separei tecidos, defini o tamanho de cada bloco, calculei quantos blocos precisaria e botei o cortador rotativo para trabalhar.



Como eu geralmente escolho estampas e cores combinadinhas, no começo fiquei um pouco receosa com os blocos que ia montando. Mas confiei que, ao emendar todos, ficaria harmonioso. Gastei algumas horas distribuindo os blocos, cuidando para não ficar dois com o mesmo tecido lado a lado, para os vermelhos, os azuis, os verdes não ficarem juntos... Quando achei que a distribuição estava boa, fotografei o todo e linha a linha. Isto, para ter certeza de que não deixaria nenhum fora do lugar.



Então, costurei as linhas horizontais e depois emendei todas. Costurei uma borda azul. Estava pronta a parte de cima! Com o topo e a manta de fibra presos um ao outro, poderia fazer a parte de baixo numa cor única - escolhi o azul vivo. Mas achei que juntando outras cores alegres, todas lisas, ficaria mais bacana. E foi aí que lembrei de um joguinho chamado "dots" que tenho no celular, e que sempre achei legal uma combinação de cores que aparece conforme se joga, eliminando outra cor. É esta, decidi!


Comprei os tecidos e, depois de deixar de molho com muito sal para não desbotar  na peça pronta, passei. Faltava, ainda, definir como colocaria as outras cores. Dividiria o espaço em partes iguais? Incluiria o branco? Colocaria em qual parte da peca? Conforme fui cortando, fui decidindo as larguras, e a repetição de cada cor. Sinceramente? Adorei o resultado!
 


 Feito isto, só faltava finalizar o quilt com o viés, que fiz do mesmo azul. Ah, o pesponto, unindo as três partes, faço do modo antigo, sempre a mão em peças assim grandes, porque uso a fibra grossa, daquelas que não necessitam mais outra coberta no inverno. E a peça, assim grossa, nem pensaria em entrar no espaço da máquina de costura doméstica. E eu gosto muito, porque os pontos manuais deixam a peça com cara fofinha. O maior problema, aqui, foram as fotos, porque o dia estava com aquela cara meio enferrujada, e deixou as fotos um pouco escuras. E mesmo corrigindo a luz, não ficou com aqueeeeele colorido real.




Recebi o retorno e, segundo  Maria Alice contou,o babyquilt fez sucesso! 😉















domingo, março 11, 2018

E lá se vai o verão!



O verão passou voando. Março chegou - e já vai quase pela metade - e em poucos dias chega o outono com suas lindas cores e uma luz  que deixa tudo dourado. Nas sombras do pátio já dá pra notar a mudança da posição do sol. Mas o verão não passou em branco por aqui. Fiz muita costura, brinquei com minha neta, que ficou vários dias aqui, correndo na grama e tomando banho na sua piscininha.  E fiz muitas fotos! Você pode acompanhar as fotos diárias no instagram e na página Casa al mare no facebook.

  
E os sinais de março? As aroeiras cheias de flores que chamam as abelhas - e algumas já com as bolinhas da pimenta rosa, que ainda vão amadurecer. E a belíssima manduirana, cheia de flores amarelas, sempre muito lindas!


 E é o mês das frutas. As maçãs não são da produção própria, mas não podem faltar. Nesta época estão bonitas e perfumadas - além de mais baratas! Viram suco, bolo, chá...


As flores ainda estão muito vibrantes! A strelizia cheia, cheia de flores! E a espirradeira florescendo muito depois de um daqueles ventos salgados que vêm do mar ter quase matado  a pobre planta!


E a lágrima de cristo fazendo a sua mágica de  transformar sua cor clarinha em cor de vinho. Um espetáculo!


E o pezinho de louro? Ganhei de aniversário, no ano passado, e está se desenvolvendo muito bem. Gostou da nova casa - e tenho tempero para o feijão tirado diretamente da horta!


 Março, para aproveitar o fim do verão, é ótimo para lavar cobertores, edredons e quilts. Secam rapidamente e ficam com aquele cheirinho bom de amaciante e de secar ao sol. A lavadora de roupas anda muito atarefada.


Mas o que mais está marcando o mês de março por aqui são as conservas e compotas. O butiazeiro, que começou a produzir no final do ano passado, se esmerou na produção e passou dos quinze cachos. (Se você não sabe o que é butiá, aqui está o link para conhecer esta frutinha versátil.


Ainda pretendo fazer doce, por enquanto alguns estão saborizando a cachaça. Ainda dá para fazer licor, refresco, sorvete, picolé.


E os abacaxis? Este ano nenhum dos plantados aqui deu fruta, mas  aproveitei a safra e comprei muitos, na feira ou nas camionetes que vendem pelas ruas da praia durante o veraneio - direto de Terra de Areia, cidade que dá nome a uma fruta muito doce. Além de comer in natura, congelei a fruta cortada em pedaços, para fazer sorvete e suco. Nem as cascas escapam - fervidas com um pouquinho de açúcar, dão uma bebida delicada e muito gostosa. Guardo o "chá" em garrafas na geladeira e uso para matar a sede durante o dia e para acompanhar refeições. Uma delícia! Ah, e a coroa (as folhas) vão sempre para a terra. Plantadas, vão dar abacaxis em três ou quatro anos.


Ah, mas também tem a produção do pátio! Dois pezinhos de goiaba dão tanta fruta, que além de comer  na hora que se colhe da goiabeira, ainda se faz doce em pedaços, chimia (doce para passar no pão) e refresco.  Uma beleza! Só preciso ser mais rápida que os passarinhos, que mesmo assim garantem a comidinha deles nos galhos mais altos.

 


E ainda tem os pepinos, que ainda não plantei, mas sempre compro os pequenos para fazer conserva. Bom, né?




Tá, mas e as costuras? Também tem! E muita! Por enquanto, deixo aqui uma toalhinha, com tamanho que fica entre a toalha americana e o mugrug. Bem colorida, como é bom! Tem outras, que mostro depois  - além dos brinquedos que fiz para aStella, minha neta. Bolsa, sacola, sleeping bag para a boneca e um case para os carrinhos hot weels.


E,  já finalizando, aqui mostro o wip do babyquilt coloridíssimo para um bebê que nasce em abril. A foto abaixo foi feita quando juntei cada qudradinho, acertando a melhor posição de cada um deles, dependendo da cor e estampa. Depois de testar várias composições, fotografo  a escolhida para montar o quilt exatamente igual. Está ficando lindo!



segunda-feira, novembro 27, 2017

Babyquilt em branco e cor de cinza


Uma combinação de cores que nunca enjoa, cinza e branco foi a escolha dos pais  para o quarto do bebê Gabriel. O quarto vai ser dividido com seu irmãozinho Guga, por isso o babyquilt obedeceu ao mesmo padrão de patchwork. O do Guga está aqui.


O efeito é o mesmo - um zig-zag ou chevron - usando tecidos nestas duas cores.
Mas as estampas e a maneira de fazer são diferentes.  Se no anterior o quilt foi composto por triângulos que se juntavam para fazer o zig-zag, neste a composição foi de união de dois retângulos, para juntar aos outros retângulos e montar o chevron.  Olhando  de perto as fotos acima e abaixo, é possível ver como foi feito. E comparando com as fotos do outro post, fica mais fácil entender.


É uma técnica mais usada para fazer uma "escada" ou ladder,  mas como decidi fazer no sentido  zig-zag, me deu um pouco mais de trabalho. Principalmente porque escolhi estampas com "sentido". Não poderia simplesmente cortar retângulos iguais no sentido da estampa. Alguns precisam ser cortados na horizontal e outros na vertical. Não, não me dei conta disto na hora de escolher os tecidos.😕 Mas a gente aprende, né? Sempre!


Na parte de trás, que também pode ser usada,  apenas faixas em vermelho e branco. Com uma concessão para esta gracinha de estampa com soldadinhos. Lindinha, né?


E, para terminar, uma almofadinha com o nome do bebê, nos mesmos tons. Aqui, o chevron da estampa do tecido foi cortado exatamente  num mesmo sentido, para ficar com o efeito de listras diagonais.




segunda-feira, novembro 20, 2017

Chuva de cores



A algum tempo atrás eu fiz uma coleção de nuvens com gotas coloridas para dar de presente para meus sobrinhos-netos. Já tinha feito algumas antes, como estas aqui e como a nuvem com chuva de estrelas para minha neta Stela.


 
Estas eu fiz um pouco diferente,  com cordões coloridos mais grossos que o fio de nylon, o que ajuda a evitar o embaralhamento das gotas. E fiz a "chuva" também em forma de corações.



Retalhos de feltro se prestam muito bem para estas peças - e tenho uma caixa cheia deles, porque  sempre dá para fazer alguma coisa, principalmente peças pequenas.


Também comprei muitas tirinhas, com cerca de dez centímetros cada, vendidas nas lojas de tecido. Assim, dá pra fazer um bom estoque de muitas cores. Nesta época de preparativos para o Natal,  dá pra fazer muito enfeites para a árvore utilizando pequenos pedaços de feltro. E a internet oferece milhares de sugestões. É só ter paciência para procurar alguma coisa que lhe agrade e atiçar a sua criatividade.