quinta-feira, outubro 18, 2007

Bonita e veloz!!



São fotos do meu filho Fábio para a revista Super Speed, que está chegando às bancas. As fotos foram feitas a cerca de um mês no aeroporto e na entrada de Porto Alegre, junto ao monumento ao Laçador - que representa o gaúcho típico. O carro é uma Marea turbo - a mais rápida do Brasil - de Mateus Bordin, de Porto Alegre.

Minha família toda está envolvida com a corrida de arrancada, e participa da Categoria Desafio, que tem como objetivo tirar os rachas de carros das ruas e levá-los para as pistas, onde competem, se divertem e ainda ganham prêmios - com toda a segurança. Além do serviço social de tirar as corridas das ruas, a Associação Desafio também contribui para o desenvolvimento econômico e tecnológico deste segmento na região, e para o espetáculo de velocidade nas pistas.

4 comentários:

Céres disse...

Que legal Beti! lendo teu post lembrei que quando eu era adolescente haviam corridas de rua de Pelotas. Era organizado um circuito. No percurso traçado as ruas eram fechadas e era um grande barato assistir. Depois foram criados os circuitos em pistas específicas e depois substituidos pelos rallies. Hoje, nesta região, são os "jipeiros" que continuam o esporte. Os "rachas" existem também e é ótimo saber que são buscadas alternativas para evitar o perigo que eles trazem para os jovens que os praticam. Parabéns ao teu filho - pela foto e pelo trabalho na Associação Desafio!

Li de Liége disse...

Parabéns as fotos estão lindas!!!
Sei como isso pega!!1
Aqui em casa é volei e atletismo para tudo que é lado!! Na verdade o esporte une muito uma família... bjuss
liége

Rita Copetti de Queiroz disse...

ESPORTE UNE A FAMILIA!!
É verdade!!! Todos participamos da AD aqui em casa!
Lindas as fotos do meu irmão ne!!
Adorei o post mãe, agora olha o meu la no PINK PIG http://rosaporquinho.blogspot.com.

bjinhoooo

Patricia Manuela disse...

Se um dia tiver que escolher entre um beijo, um olhar e uma lágrima, escolha a lágrima, pois o beijo pode ser falso, o olhar, passageiro, mas a lágrima, por mais triste que seja, é verdadeira.