terça-feira, março 02, 2010

Do outro lado do rio Uruguai


Há muito tempo eu não tirava férias e viajava por aí. Morando na praia, o verão acaba sendo a época de mais movimento na casa durante todo o ano. Mas este fevereiro foi diferente. Quando fui com minha irmã levar nossos pais de volta pra Ijuí, depois de uma temporada deles na praia, minha outra irmã teve a ideia de passearmos na Argentina, afinal, é tão pertinho (de lá).

Quando eu era criança, meu pai dirigia um caminhão tanque e, com frequência, eu e minhas irmãs viajámos com ele nas férias , quando ele ia entregar gasolina e diesel pelo oeste do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná. Este turismo peculiar nos permitiu conhecer todas as cidades perto de onde morávamos - e algumas um pouco mais distantes. As missões jesuíticas, estações de águas termais, o rio Uruguai, e, do outro lado, a Argentina. Apesar da fonteira com a Argentina ficar a pouco mais de 100 quilômetros de onde nasci e passei toda minha infância e adolescência, com o tempo perdi esta referência. Na década de 60, tanto os caminhões quanto as estradas eram muito diferentes, e, na minha memória de criança, a distância era muito grande. Depois que saí de Ijuí para estudar em Porto Alegre, a Argentina que ficou na minha memória foi a de Buenos Aires, que conheci mais tarde, já na vida adulta. Cosmopolita, europeia, B.A. não tem muito a ver com as minhas memórias de infância, de cidadezinhas pequenas e empoeiradas na fronteira.


Em fevereiro deste ano, quando estava em Ijuí, minha irmã teve e ideia de irmos para Oberá, cidade argentina a cerca de 50km além do rio Uruguai. Como não existe ponte entre Porto Mauá e Alba Posse, nosso tempo de permanência do outro lado do rio estava condicionado pelo horário da última balsa. (Ah, a barca! Outra lembrança da infância - atravessar o Uruguai sobre uma barca, bem pertinho da água.) Com pouco tempo para ficar no país vizinho, foi uma pena esperar numa fila durante quase uma hora na aduana. Na estrada de novo, fiquei impressionada com as plantações de chá, no caminho até Oberá.


Cidade pequena, com cerca de 60 mil habitantes, Oberá tem muita semelhança com Ijuí - ruas largas, construções baixas, terra vermelha e cidade criada com imigrantes de muitos países, principalmente europeus. Lá, como também em Ijuí, existe um parque onde estão construídas casas típicas dos países de onde vieram os imigrantes e onde, a cada mês de setembro, é realizada uma festa do imigrante. (Em Ijuí, a festa das etnias é realizada em outubro em parque semelhante). Ao lado do parque, um hotel oferece cabanas em meio à natureza. Tudo muto bonito!Com um real valendo dois pesos, era inevitável comprar algumas coisinhas, principalmente alfajores e doce de leite. Mas azeite, azeitonas e alimentos em geral, levam brasileiros a lotar os supermercados, onde vão fazer compras para o mês e abastecer o tanque de combustível do carro. Azeitonas, balas de leite, azeites, vinhos, chás, biscoitos, pratas, roupas, cremes, dá vontade de comprar tudo! E, pra quem gosta, ainda tem um cassino! A cidade tem largos canteiros centrais nas avenidas, transformados em praças, com muitas árvores, bancos, esculturas e monumentos.

Depois de uma visita rápida, hora de pegar a balsa de novo. Quase chegando à divisa, paramos outra vez para fotografar o rio, que forma um U e desenha uma bela paisagem.



Agora, definitivamente, as férias acabaram. A praia já está civilizada de novo, os veranistas foram embora, e depois de um mês com temperaturas infernais, apareceu o vento minuano, trazendo dias muito agradáveis. Ótimo para costurar. Aliás, muito trabalho me espera! Mas antes de mostrar minhas costuras, ainda vou falar mais sobre as minhas férias. Até mais!

15 comentários:

Vanessa Maurer disse...

Poxa que saudades! Sabes que destesto cobranças, mas tu fez falta viu! Fico feliz em saber que tua ausência foi por bons motivos... A baby chega sexta-feira agora, estou dando uns últimos "retoques" nas coisas... Beijo grande e saudoso de ti querida...

Cris Nagawa disse...

Bety,

Que lugares lindos.....
Belas férias....
Estou aguardando sua novidades...

bjs

Mary Taveiros disse...

Oi Beti, demorei pra vir conhecer seu cantinho, achei lindo tudo!!!
E essa viagem, maravilhosa!!!
Já estou seguindo vc e te adicionei aos meus favoritos!
beijinhos

Rita Copetti de Queiroz disse...

Ahhh que legal teu post mãe!
E pra mim foi muito boa essa tua viagem, pq ganhei pote de doce de leite, alfajores e chás!

bjocas

rosana sperotto disse...

Beti, teu roteiro fez cócegas na vontade de conhecer o país vizinho, nem tão longe assim dos gaúchos do leste, e que passa o tempo e nunca priorizo. Peguei carona nas lindas imagens... Como disse uma amiga virtual: os posts de viagens acabam botando no bolso muitas matérias das revistas de turismo, não só pelas rotas muitas vezes menos turísticas, como pelo tom pessoal que avaliza as dicas. Bom final de verão! Que venha o outono para trabalharmos com mais sossego. Beijo

Rita Copetti de Queiroz disse...

Adorei isso:
"os posts de viagens acabam botando no bolso muitas matérias das revistas de turismo, não só pelas rotas muitas vezes menos turísticas, como pelo tom pessoal que avaliza as dicas."

Elizabeth disse...

Bom dia Beti,
Obrigada por compartilhar esses lindos lugares.
Beijo.

Leci Irene disse...

Bom dia! Lindos lugares! Realmente, férias merecedoras de uma reportagem, para mostrar como o nosso interior tem locais bárbaros!
Beijos

Anny Meng disse...

Beti...que saudades da infancia!!Essas lembranças, esses cheiros, essas sensações são a coisa mais divina que pode existir..resgatar momentos tão ricos na nossa vida! Nosso contato com os pais...aii que delícia.Dia desses me lembrei dos detalhes do "ninho para o coelhinho" que meu pai sempre nos estimulou a fazer...procurar capim sequinho, pétalas de flores...como o mundo perdeu isso!!! mas parabéns por resgatar parte da sua infancia nessa viagem...beijos e bom fim de semana..Ana

Pedaço de Amor disse...

:Que gostoso, Beti! Vc fez falta, viu? Até preocupada eu fiquei! rs
Bom retorno!

FERNANDA disse...

Beti,

Que lugares lindos! É muito bom viajar, renovar o coração, ver com outros olhos aquilo que o coração um dia já havia experimentado. Também é muito chegar em casa... E ter seus posts. Um ótimo recomeço!Abraços.

Ana Tuyama disse...

Oi Beti!
Saudade!
que lugares lindos passou!!!
beijo, benvinda de volta.

Ana

Cris'Artes disse...

Oi Beti,

Estava com saudades... tenho vindo por aqui quase todos os dias ver as coisas lindas que você faz!

Que viagem deve ter sido essa!?!

Na realidade meu sonho ainda é o de conhecer o sul de nosso pais... um dia quem sabe, né?

Beijinhos...

Suzana Duarte disse...

Que delícia de viagem, Beti!
Lindos lugares...aquela foto do rio que aparece um mirante é maravilhosa.
Bom retorno!
bjo ;o)

Cleci Arte e Talento disse...

Ola Beti,

Mulher...
Que traz beleza e luz aos dias mais difíceis
Que divide sua alma em duas
Para carregar tamanha sensibilidade e força
Que ganha o mundo com sua coragem
Que traz paixão no olhar
Mulher,
Que luta pelos seus ideais,
Que dá a vida pela sua família
Mulher
Que ama incondicionalmente
Que se arruma, se perfuma
Que vence o cansaço
Mulher,
Que chora e que ri
Mulher que sonha...
Tantas Mulheres, belezas únicas, vivas,
Cheias de mistérios e encanto!
Mulheres que deveriam ser lembradas,
amadas, admiradas todos os dias...

Para você, Mulher tão especial...
Feliz Dia Internacional da Mulher!

bjos, Cleci