sexta-feira, maio 28, 2010

Como uma brisa




Há nove anos atrás nos perguntaram se queríamos uma pastora filhote que estava tendo problemas na casa onde morava. Era magricela, peluda, de uma linda cor amarela e mel. Assustada e machucada, ela veio morar aqui em casa junto com a Nite (uma pastora preta que depois foi envenenada pela bruxa má do leste) e a Luna. Veio com medo de vassoura e de luvas de borracha amarelas! Arisca, levou algum tempo pra se sentir confortável, pra saber que aqui não seria maltratada. A Rita deu o nome de Brisa. Nome perfeito! Uma cachorra suave, fofinha, delicada. E linda! E também chamava-a de pelegão! Motivos óbvios! Era a maneira da Luna se esquentar no inverno, quando as duas dormiam enroladas.

Uma grande companheira! O cachorro mais inteligente que já passou por aqui. Nem precisava de guia. Obediente, caminhava ao lado ou perto da gente. Sempre pronta pra defender seus donos e a Luna e a Preta de pessoas estranhas ou outros cachorros que se aproximavam ameaçadores. Embora andasse livre, ficava na maior excitação quando pegávamos a guia pra sair com as outras cachorras. Ela ia junto, feliz, solta e sempre atenta.

Escolhia pra sentar algum local onde pudesse ficar atenta aos donos, e parecia que não descansava. Com qualquer barulhinho levantava o orelhão e abria os olhos pra ver se algum perigo rondava a casa. Quando acordava, de manhã, ia para os quartos enfiar o focinho no rosto das pessoas pra que levantassem, afinal, era hora de aproveitar o dia! E usava o dialeto dela pra dizer que gostava de morar aqui, que apreciava a vida que levava. Uma espécie de latido abafado misturado com resmungo. E se respondíamos imitando o som, mais ela "falava" e balançava o rabo peludo, feliz!
Gostava de ficar sempre embaixo de um "telhadinho". A mesa da sala, o banco do jardim, a rede. E apesar de se impôr pelo tamanho, nunca mordeu ninguém. Sempre nos acompanhava enquanto trabalhávamos na praça, e ficava cavando buraco, seguindo cheiros, observando tudo. Ou deitada ao lado, esperando o plantio das árvores acabar pra voltar pra casa somente quando nós voltávamos.

Ficou doente no final do ano passado. Os remédios eram dados num potinho de leite, e ela começou a apreciar o ritual. Toda manhã, depois da ração, sabia que ganharia um leitinho, e ficava esperando. Tomava tudo, e deixava o focinho, que já estava ficando com os pelos brancos, mais brancos com a marca do leite.

Certamente ela teve uma boa vida aqui em casa. E com mais certeza ainda, nos deixou mais felizes com sua companhia constante e seu cuidado conosco. Desde ontem ela está morando na praça. Pra sempre.



37 comentários:

Flor de Juana disse...

Nossa que Lindo!!!! Quem ama esses bichos não tem como não ler e se emocionar... A vida é isso.. Fazer de pequenos momentos grandes instantes....

Eloisa disse...

Escreveu belamente, Beti...me deu um nó no peito imaginar que ela tinha ido...Mas deixou uma linda história, isso é o que vale!
bjssss

Lenita Vidal Porcelanas disse...

Olá Beti,
Lendo seu post senti saudades da Mel, uma boxer que apareceu aqui em casa, já adulta mas que entrou pra família de forma tão carinhosa que resolvemos ficar com ela, até que no final do ano passado ficou dentinha com câncer e infelizmente tivemos que sacrificá-la, pois os medicamentos já não funcionavam mais. Foi com certeza uma companhia muito agradável e feliz.
Agora temos a Ruby, uma labrador com tudo que um labrador pode ter de encrenca, uma delicia de menina!
Beijos, um final de semana colorido pra você.
Lenita Vidal

Luciana disse...

Oi Beti! Que lindo seu relato, mas me deu uma dor no peito, pois acabei de deixar programado para amanhã umas fotos da minha cadelinha que também é pastora, que amo tanto, e não consigo pensar a vida sem ela. O que aconteceu, ela estava doente?
Sinto muito por sua companheirinha.
Um ótimo fim de semana.
Bjos, Lú.

Fernanda disse...

Linda história!
Realmente nos apegamos a esses bichinhos e eles acabam tornando-se membros importantes de nossas famílias...
Tenho uma coelha lion head chamada Sophia que amamos muito e por isso ler a história da Brisa torna-se ainda mais emocionante, pois entendo o sentimento envolvido.

Karina disse...

Beti,
Você, com muita suavidade, me fez lembrar do Galã, meu gato que viveu 16 anos ao meu lado e de minha família. O tempo passa e sempre as melhores lembranças ficarão. Um beijo no seu coração, Karina.

Paty disse...

ai que triste...
quem ama cachorros sabe o que é ficar tanto tempo com um e perder...
apesar q amor não se mede com o tempo q se fica e sim a intensidade do sentimento...
fiquei com dor no coração ao ler seu relato, tão poético, suave, como uma brisa...
bjks

Carmen disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carmen disse...

beti,
esses nossos amigos são eternos, mesmo que por um tempo deixem de conviver conosco.
com certeza a brisa deve estar, agora, passeando com a jade minha pastora que perdi exatamente nesta epoca em 2009, e é claro... botando a fofoca em dia!

Adriana disse...

Já está deixando saudades...

Uma cachorrinha muito meiga e muito, muito inteligente.

Ela realmente vinha nos acordar pela manhã com seu focinho molhado. E se não levantávamos, ela nos chamava novamente!

Sentiremos muito a falta da Brisa.

Mãe da Rita disse...

Beti, fiquei com as lágrimas nos olhos ao ler sobre a Brisa.
Eu também tenho duas "ex-sem-abrigo" comigo e são a minha sombra, as amigas mais fieis e leais.
No Domingo vamos de férias e as duas vão para um hotel para cães. Você nem imagina o drama que tem sido para a minha filha pensar que as amigas vão ficar lá uma semana. Todos os dias chora :-)
E a primeira coisa que fazemos quando voltamos é ir buscá-las!
A Rita nem nos deixa largar as malas em casa primeiro :-)))
Um beijinho!

Joaninha disse...

Olá querida, nós tb adotamos uma hasky com 6 anos.
hoje ela é muito especial para nós,
Espere que voce supere e lembre-se que voce tb foi muito especial para ela.
Se voce quiser ver me avise que eu vou postar a foto ela para voce ver ok?
Lembre-se sempre dela com muito carinho

Feito a mão baby disse...

Tivemos um poodlezinho antes da Madonna que até hoje é lembrado e citado aqui em casa...
Apesar de ranheta e chato(inho) era dono de uma personalidade impar. conseguia comandar a nós todos...
Fazem muita falta no início mas depois vem somente lembranças boas e tranquilas...
Como dia minha irmã: a Brisa está no céu dos pets...

bjooo Beti

Rita Copetti de Queiroz disse...

Tchau Brisa!

Rita Copetti de Queiroz disse...

Ahhhh Brisa pq ela era levinha, magricela, o nome foi ótimo pra ela!
Mas o melhor era quando ela vinha enfiar o fucinho na gente, ou ficava latindo alto na nossa volta e alguém dizia: PARA-BRISA!

Ana Vergara disse...

fiquei triste com a notícia... não há nada que nos faça esquecer a presença marcante deles em nossa vida. Agora ela vai tomar um leitinho angelical, servido por anjinhos de pelo macio e ao som de uma melodia caninamente agradável...

Ela certamente modificou suas vidas e isso não foi em vão. Memórias de dias alegres, bem vividos, ficarão marcadas como uma tatuagem em seus corações...

Fiquem bem pois ela ficará também!
beijos
DaAna

tininha disse...

oi beti,via foto dela no flicker e vim ler o q. vc tinha escrito,mas não consegui ler tudo...porq. recentemente tb perdi minha cachorrinha(q. se chamava nina),era nosso bebe aqui de casa,teve uma doença e tivemos q. sacrifica-la foi horrivel...então entendo q. estejas triste...
mas como vc disse no finalzinho do texto,q. ela foi importante na sua vida,e é isso é q. fica boas lembranças,um grande abraço.tininha.

Ana Paula disse...

Não gosto nem de pensar que daqui há alguns anos a Thora também deverá partir...
Não é nada fácil né?
Bjs querida

N@ni disse...

Me emocionei!!!
Amo animais e acho que eles merecem nosso respeito e carinho. Nos dão tanto sem pedirem nada.
A proposito seu blog é lindo e acabei de criar o meu.
Dá uma passadinha lá.
http://linhasretalhos.blogspot.com/

Bjs

Sandra. disse...

Que texto lindo... e tão triste! Estou aqui em lágrimas! Que pena que os bichinhos também partem e nos deixam com um vazio desses. Amo cachorros e cuido muito bem deles. Estou com dois idosos e tenho visto que o mais velho, o Pedrinho, está bastante debilitado em seus quase 16 anos. Ele sempre está comigo e até parece ser minha sombra. Tenho me preparado para o dia que Deus o recolher, mas meu coração fica tão apertadinho...lágrimas e um choro abafado aparecem e dói muito. Infelizmente, a morte faz parte da vida! E tão maravilhoso ter amigos e ter o privilégio de ter os animais ao nosso lado.
Que Brisa descanse em paz lá na pracinha. Certamente, a saudade será grande, mas ela estará sempre por aí... Abraços, Sandra.

Cynthia Barreto disse...

Olá Beti! Eu imagino como você deve estar se sentindo... Já tive 2 cães, um deles era pastor e sempre foi muito amado e querido. Infelizmente ele também já se foi.

Fique em paz...beijos!

Zezé disse...

Olá Beti ! Estou em lágrimas, amo os animais, em especial a turminha que tenho em casa. O pastor, lindíssimo, é meninão ainda, a mestiça é uma jovem adulta mas o poodle é bem velhinho, minha sombra, e quando olho não consigo esquecer que eles não tem o mesmo tempo que nós. Acho que porisso amam com tanta intensidade, aproveitando cada minuto de nossa presença, nos ensinando ainda que teimamos em não apreender.


Beijos ! Fica bem.

Cacau Jafet disse...

Oi Beti! Sei o que está sentindo, sua historia se parece com a minha.
bjossss! Fica bem.

. disse...

Que artigo tão bonito.
Fez - me lembrar o que eu sentia por uma gata que tivemos e que morreu de (muito) velha, com muitos elogios do veterinário por ter sido sempre tão bem tratada.
Custou tanto.
Compreendo o que está a sentir.
Alfazema

Liz disse...

Ai...que coisa mais querida!Que linda "Brisa"passou por aí. Com certeza amou sua passagem pela sua família e o carinho que recebeu.
beijo,
Liz

Mery Valle disse...

Que maravilha essa cachorrinha Brisa...só quem gosta de cães sabe como é o carinho que eles nos dão!!!
Linda história!!!
Beijos,
Mery Valle!!!
Já virei seguidora...!!!

Maria Lúcia - Asas da Imaginação disse...

Oi Beti!
Estou com a semana bem atarefada; assim que minha secretária fizer o depósito, eu lhe aviso.
Obrigada.
PS: Meus sentimentos pela perda de tão fiel companheira.

Margareth disse...

Emocionante mesmo!Impossível descrever o que sentimos na hora em que esses companheiros partem. :'(
Um vazio imenso, pois o carinho, a alegria e dedicação que eles nos oferecem são imensuráveis.
De onde estiver, certamente continuará olhando pela praça e por àqueles que sempre a trataram com tanto amor!
Vai em paz querida Brisa!

Beti, faço idéia do que está sentindo. Mas fica o consolo de que ela foi mto feliz, amada e querida por todos aí. Guarde no coração os bons momentos com ela!
Bjos e fica bem!

Penélope disse...

Obrigada por partilhar... as palavras foram todas ditas. O sentimento não passa... como uma Brisa!
Força.

Anônimo disse...

Oi Beti. É muito triste tua históris. Tenho um pastor belga com 12 anos e ele já tem dificuldades para sentar ou levantar. Venho preparando meus filhos e noto que eles brincam com o "Chance" com uma certa tristeza, já com um certo tom de saudade, pois sabem que ele vai embora. Beijos pra ti.
Tânia - De Pato Pra Ganso.

Elissa disse...

Nossa... me emocionei lendo também... lembro bem da Brisa passeando com vocês e sempre sem coleira... das vezes que eu aparecia na casa de vocês e a Brisa sempre vinha me receber...
Aqui nos EUA adotei 2 gatos que amo de paixão... um deles ficou internado mês passado por 3 dias e eu já tava super mal de imaginar se algo pior acontecesse com ele...
E mesmo depois da Kitty, mesmo depois de ter um bichinho por tanto tempo e ter que ver ele partir, eu não me canso de ter mais um. É tão bom... me da a sensação de que nunca mais eu fico sozinha.
Muito lindo o texto... tenho certeza que ela vai ser lembrada pra sempre e de que o tempo que ela viveu com vocês ela foi bem feliz!
Tchau Brisa!

Carlinha disse...

Brisa! ela representa os bons ventos que passam pelas nossas vidas!

bjs

Li de Liége disse...

Muito triste!!!
liége

bodela disse...

Em abril do ano passado minha Sarinha resolveu ir passear com o Papai do Céu,depois em setembro minha Danka resolveu ir brincar com a Sarinha,foram amigas,companheiras e verdadeiras filhas pra mim,que ainda me fazem muita falta...

Espero que elas possam se encontrar com sua Brisa e brincarem juntas,,bjs

Maria Filomena disse...

Roberta,
como nos apegamos aos nossos animais!! Como eles preenchem com o seu amor o nosso dia!!!!
Gostei de ler esta história, ainda que no final tudo tenha um final. É a vida, mas ela, com certeza, a viveu muito bem e transmitiu muito amor.
abraços de Maria Filomena

Ps- tenho um cão com 1 ano chamado Piloto, que não me larga, só quer miminhos e afagos!!!!
Digo que é o meu menininho!!!

Maria Filomena disse...

Beti,
desculpe-me. Troquei o seu nome.
Mil desculpas.
Maria Filomena

Beti Copetti disse...

Oi pessoal!
Agradeço muito as visitas e os comentários!