domingo, maio 04, 2014

Balões no ar



O que é mais bonito: balões colorindo o céu azul ou balões iluminando a noite? Nem precisei escolher. Neste sábado eu vi os balões sendo inflados, subindo, desfilando pelo céu de Torres e fazendo o espetáculo night glow no Parque do  Balonismo de Torres. ( O vídeo está no fim deste post.)

 Então, começando do começo: a série de fotos mostra o balão sendo aberto, no chão. Um superventilador enche o balão de ar frio. Enquanto o ar vai entrando, a equipe vai abrindo  o tecido do balão e fecha a coroa ou tap - aquela parte de cima na segunda linha de fotos - para manter o ar quente dentro do balão. (Depois, quando em voo, o piloto puxa a corda que abre o tap para controlar a saída de ar quente e subir ou descer o balão.) É a vez dos maçaricos entrarem no trabalho. O gás contido nos tanques (que vão dentro do cesto)  é queimado para aquecer o ar frio que encheu o balão - como vemos na terceira e quarta linha de fotos. O ar quente vai fazer  o balão começar a subir, mas ainda é agarrado no chão pela equipe. Então, ele sobe, sobe, sobe... e voa, levado pelo vento.


A direção do vento é que vai levar o balão. O piloto pode  subir ou descer no céu, liberando ou não mais ar quente, e procurando correntes de ar que levem o balão  para o lado que ele pretende ir. Depois do passeio é a expulsão do ar quente que baixa o balão. Então é hora de tirar todo o ar de dentro, dobrar, colocar na bolsa de lona para transportá-lo . Para casa ou para outro voo. Se você quer saber direitinho como funciona, aqui tem um link.

As fotos são do balão de  Luiz Eduardo Consiglio no voo com sua aprendiz Raquel Quartiero. A Raquel é personal training e cresceu em Torres vendo os balões, até que um dia teve a oportunidade de voar e quis aprender. Consiglio, chamado de Baixo, é engenheiro e alpinista, e participa do programa antártico brasileiro. Balão é um hobby pra Raquel, e uma segunda profissão pro Baixo. Fui a Torres com a Rita e o Carlo (Rica Aventura), que há cinco anos participam do resgate de balões no festival, e que, neste dia, ajudaram  o Baixo e a Raquel no resgate.


Não é um esporte que dispense equipe. Precisa gente para auxiliar a encher o balão, para segurar quando desce, para andar rápido pela estrada e resgatar  balão e piloto onde descerem. Às vezes  o balão pousa sobre uma construção, um campo com plantação ou gado, ou até na água. Mas se a água não for rasinha, lá se foi o equipamento...



Como coloquei a sequência de armar o balão, o resto do post que pretendia fazer vai ficar pra mais adiante. Até lá! Antes, o vídeo do night glow:



2 comentários:

Juni Biscuit disse...

Lindo espetáculo!
Boa semana.

Beti Copetti disse...

Obrigada, Juni!
Realmente, é um espetáculo muito bacana!