domingo, novembro 15, 2015

A caixa das doces palavras


Recebi um pedido diferente, algum tempo atrás: fazer uma caixa, um cofre, um depositório de palavras especiais de uma bisavó para  o bebê da família. Ela, que domina a arte de transformar palavras em textos sensíveis e encantadores, começou a escrever para o bisneto Antonio Pedro logo depois que o menino nasceu. São situações corriqueiras e especiais, como o dia e que o menino percebeu o azul do céu e as aves.


 Quem não gostaria de receber palavras tão doces como estas?
"No domingo, você descobriu a imensidão do céu e voo das gaivotas. E os meus olhos descobriram o brilho da curiosidade nos olhos seus. São os primeiros encantamentos que a vida, cheia de espantos, guarda para você. Busque a felicidade nas coisas desimportantes, como o sorriso do gato de Alice, o trote dos cavalos, o canto das cigarras e o passeio da lua no ceuzão que acabou de achar, por si só, na tarde quase azul que precedeu a véspera da primavera".


 Pois pra guardar estas delicadezas que a Vera encomendou uma caixa. Como fazer? Foram muuuitas tentativas. Usei só fibra, fibra com miolo de plástico rígido, só o miolo rígido. Optei, enfim, por uma caixa de mdf forrada com tecido.   Não gostei da primeira que fiz, toda em azul. Então, encontrei na minha caixa de tecidos brancos, este lindo importado, com estrelas em tons de azul, laranja e marrom. É este!


Pra combinar, um tecido liso exatamente da cor de uma das estrelas. E, por dentro, mais estrelinhas em dois tons do mesmo azul esverdeado. Um pesponto branco marca o encontro dos dois tecidos na tampa. E uma estrelinha bordada aparece no azul.



E, pra fechar o post, mais uma das deliciosas heranças que o sortudo do Antonio Pedro vai receber:
"Da série "descobertas da bisa"
Dia após dia, sem a pressa do tempo, um passarinho pousa na janela do quarto de Antônio Pedro. 
Pia uma ou duas vezes e se vai, batendo asas. Faça chuva ou faça sol, lá vem ele cada vez mais íntimo.
O que diz ao menino de grandes olhos e cachos angelicais, quando estão a sós? Que recado traz da mata que margeia a rua e o riacho? 
Será que fala do tempo, das ondas do mar azul, da alegria das crianças ou do colorido das flores? 
Quem sabe diz da amizade, da solidariedade, do afeto que demonstra com visitas diárias traduzidas em um "pode contar comigo, volto amanhã". Assim vai, sem querer, ensinando o que é fé, esperança e caridade.
Talvez conte segredos que só pássaros e crianças compartilhem...Desconheço!
Sei que se deixa ficar no alambrado, espiando o menino e seu brincar...
Quantas histórias inventadas os dois têm pra contar! Quantas confidências...
O menino e o passarinho, o passarinho e o menino...e a vida a girar, girar...e o mundo a rodar, rodar...e os sonhos desenhados entre um piar e um olhar.
Viver é mágico!"


Em tempo: textos assim delicados também fazem parte do livro "Louvre-Rivoli estação partida" que a Vera e seu amigo Fábio lançam no dia 27 de novembro, na livraria da Travessa Botafogo no Rio de Janeiro. Veja mais aqui.

4 comentários:

Andrea Bitencourt disse...

Olá Beti!
Que história mais linda, realmente merecia uma caixa tão especial quanto essa!
Beijos mil e uma semana de paz a todos nós!
www.deliciasdavodeo.com.br

emília disse...

Beti e suas delicadezas! Sempre foi assim. De ótima jornalista trocou o corre-corre das redações pelo corre-corre da criatividade manual. Essa homenagem ao meu bisneto é mais uma das maravilhas que ela fez para ele.
Inicialmente, foi o Frederico, primeiro amigo de Antônio Pedro. Ficou esperando pelo bebê no bercinho da maternidade.
Depois, foram rolinhos e enfeites para um antigo berço italiano que tenho em Petrópolis.
Finalmente, a caixa de doces palavras, onde pretendo guardar textos e palavras que Antônio vai ler futuramente.
Devo muito a vc, Beti, porque, além de tudo, realiza meus sonhos. Amo-te!

Poções de Arte disse...

Bom dia, Beti!
Vim voando de outro bloguinho para espiar a caixa com estrelas e me emocionei com a postagem.
Essa caixa é muito especial e viajei no tempo, vendo esse bisneto a abrindo, já adulto e lendo tão belas palavras da sua bisa, que nos faz viajar, vendo passarinhos, céus estrelados...
Um presente muito especial.

Vou voar no link que deixou, sobre o lançamento do livro.
Abraços e ótimo dia,
Márcia.

Maristela Guilherme disse...

A caixa ficou linda.
Assim como são lindas as palavras que nela serão guardadas.
bjos